Download Odisséia - Frederico Lourenço PDF

TitleOdisséia - Frederico Lourenço
File Size1.3 MB
Total Pages10
Document Text Contents
Page 1

homero

Odisseia

Tradução e prefácio de
frederico lourenço

Introdução e notas de
bernard knox

Page 2

Copyright da introdução e das notas © 1996 by Bernard Knox
Copyright dos mapas © 1990 by Anita Karl e James Kemp

Os mapas desta edição foram feitos por Sonia Vaz, baseados
em The Odyssey, editado pela Penguin Group, em 1996.

Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua
Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no Brasil em 2009.
Penguin and the associated logo and trade dress are registered

and/or unregistered trademarks of Penguin Books Limited and/or
Penguin Group (usa) Inc. Used with permission.

Published by Companhia das Letras in association with
Penguin Group (usa) Inc.

título original
Οdusseia

capa e projeto gráfico penguin-companhia
Raul Loureiro, Claudia Warrak

preparação
Alexandre Boide

adaptação para o português do brasil
Carlos Minchillo

tradução da introdução
Angela Pessoa

revisão
Camila Saraiva
Huendel Viana

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (cip)
(Câmara Brasileira do Livro, sp, Brasil)

Homero
Odisseia / Homero; tradução e prefácio de Frederico Lou-

renço; introdução e notas de Bernard Knox. — São Paulo : Pen-
guin Classics Companhia das Letras, 2011.

Título original: Οdusseia
isbn 978-85-63560-27-8
1. Poesia épica clássica — Grécia Antiga 2. Poesia grega

i. Knox, Bernard. ii. Título.
11-08303 cdd-833.01

Índices para catálogo sistemático:
1. Epopeia: Literatura grega antiga 833.01

2. Poesia épica: Literatura grega antiga 833.01

[2011]
Todos os direitos desta edição reservados à

editora schwarcz ltda.
Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 32

04532-002 — São Paulo — sp
Telefone (11) 3707-3500 Fax (11) 3707-3501

www.penguincompanhia.com.br
www.blogdacompanhia.com.br

Page 3

Sumário

Introdução — Bernard Knox 7
Prefácio — Frederico Lourenço 95
Nota sobre a tradução 107

mapas
1. Geografia homérica: Grécia continental 110
2. Geografia homérica: O Peloponeso 112
3. Geografia homérica: O Egeu e a Ásia Menor 114

ODISSEIA

Canto i 119
Canto ii 134
Canto iii 149
Canto iv 166
Canto v 195
Canto vi 212
Canto vii 224
Canto viii 236
Canto ix 257
Canto x 277
Canto xi 297
Canto xii 319
Canto xiii 334
Canto xiv 349
Canto xv 367
Canto xvi 386

Page 4

Canto xvii 403
Canto xviii 426
Canto xix 442
Canto xx 463
Canto xxi 477
Canto xxii 493
Canto xxiii 511
Canto xxiv 524

Notas 543
Genealogias 563
Referências bibliográficas 567

Page 5

Canto i*

Fala-me, Musa, do homem astuto que tanto vagueou,
depois que de Troia destruiu a cidadela sagrada.
Muitos foram os povos cujas cidades observou,
cujos espíritos conheceu; e foram muitos no mar
os sofrimentos por que passou para salvar a vida,
5 para conseguir o retorno dos companheiros a suas casas.
Mas a eles, embora o quisesse, não logrou salvar.
Não, pereceram devido à sua loucura,
insensatos, que devoraram o gado sagrado de Hipérion,
o Sol — e assim lhes negou o deus o dia do retorno.
10 Destas coisas fala-nos agora, ó deusa, filha de Zeus.

Nesse tempo, já todos quantos fugiram à morte escarpada
se encontravam em casa, salvos da guerra e do mar.
Só àquele, que tanto desejava regressar à mulher,
Calipso, ninfa divina entre as deusas, retinha
15 em côncavas grutas, ansiosa que se tornasse seu marido.
Mas quando chegou o ano (depois de passados muitos outros)
no qual decretaram os deuses que ele a Ítaca regressasse,
nem aí, mesmo entre o seu povo, afastou as provações.
E todos os deuses se compadeceram dele,
20 todos menos Posêidon: e até que sua terra alcançasse,
o deus não domou a ira contra o divino Ulisses.

* Sobre a numeração dos versos, ver “Nota sobre a tradução”.

Page 6

homero120

Mas para longe se afastara Posêidon, para junto dos Etíopes,
desses Etíopes divididos, mais remotos dentre os homens:
uns encontram-se onde nasce, outros onde se põe o Sol.
Para lá se afastara Posêidon, para deles receber
25 uma hecatombe de carneiros e de touros;
e aí se deleitou no festim. Quanto aos outros deuses,
no palácio de Zeus Olímpico se encontravam reunidos.
E o primeiro a falar foi o pai dos homens e dos deuses.
Pois ao coração lhe vinha a memória do irrepreensível Egisto,
30 a quem assassinara Orestes, filho de Agamêmnon.
A pensar nele se dirigiu assim aos outros imortais:

“Vede bem como os mortais acusam os deuses!
De nós (dizem) provêm as desgraças, quando são eles,
pela sua loucura, que sofrem mais do que deviam!
35 Como agora Egisto, além do que lhe era permitido,
do Atrida desposou a mulher, matando Agamêmnon
à sua chegada, sabendo bem da íngreme desgraça —
pois lhe havíamos prevenido ao mandarmos
Hermes, o vigilante Matador de Argos:
que não matasse Agamêmnon nem lhe tirasse a esposa,
40 pois pela mão de Orestes chegaria a vingança do Atrida,
quando atingisse a idade adulta e saudades da terra sentisse.
Assim lhe falou Hermes; mas seus bons conselhos o espírito
de Egisto não convenceram. Agora pagou tudo de uma vez.”

A Zeus respondeu Atena, a deusa de olhos esverdeados:
45 “Pai de todos nós, mais excelso dos soberanos,
é verdade que esse homem teve a morte que merecia:
e que pereça qualquer outro que igual coisa fizer.
Mas arde-me o espírito pelo fogoso Ulisses,
esse desgraçado, que longe dos amigos se atormenta
50 numa ilha rodeada de ondas no umbigo do mar.
É uma ilha frondosa, onde tem sua morada a deusa
filha de Atlas de pernicioso pensamento — esse que do mar
conhece todas as profundezas e segura ele mesmo

Page 7

canto i 121

as colunas potentes, que céu e terra separados mantêm.
55 Sua filha retém aquele homem desgraçado,
e sempre com palavras implorantes e suaves
o encanta, para que Ítaca olvide; mas Ulisses desejoso
de no horizonte ver subir o fumo da sua terra
tem vontade de morrer — e o teu coração
60 não se comove, Olimpo! Não foi Ulisses
quem junto às naus dos Argivos na vasta Troia
sacrifícios te ofereceu? Contra ele te encolerizas, ó Zeus?”

Em resposta à filha falou Zeus, que comanda as nuvens:
“Que palavra passou além da barreira dos teus dentes?
65 Como me esqueceria eu do divino Ulisses, cujo espírito
supera o de qualquer outro homem e aos deuses imortais,
que o vasto céu detêm, nunca faltou com sacrifícios?
Mas Posêidon, que cerca a terra, sem tréguas se lhe opõe,
por causa do Ciclope a quem Ulisses cegou a vista —
70 ao divino Polifemo, que mais força tem entre todos os
Ciclopes.
Foi a ninfa Toosa que o deu à luz — a filha de Fórcis,
aquele que rege o mar nunca cultivado —
depois de se unir a Posêidon em côncavas grutas.
Desde esse dia Posêidon, o deus que faz tremer a terra,
75 embora sem matar Ulisses, fá-lo vaguear para longe da
pátria.
Mas nós aqui presentes acordemos o seu regresso;
e Posêidon deixará a sua ira: contra todos os imortais,
à sua revelia, só, contra todos, lutar não conseguiria.”

A Zeus respondeu Atena, a deusa de olhos esverdeados:
80 “Pai de todos nós, mais excelso dos soberanos,
se agrada aos corações dos deuses bem-aventurados
que o sagaz Ulisses regresse a sua casa,
enviemos agora Hermes mensageiro, Matador de Argos,
85 à ilha de Ogígia para que rapidamente anuncie
à ninfa de bela cabeleira a nossa vontade:

Page 8

homero122

que o paciente Ulisses a sua casa regresse.
A Ítaca irei eu mesma para animar o seu filho,
para lhe insuflar coragem no espírito:
90 que convoque a assembleia dos Aqueus de longos cabelos
e sem rodeios se exprima a todos os pretendentes,
que lhe degolam os numerosos rebanhos e o gado
cambaleante.
A Esparta quero enviá-lo e a Pilos arenosa,
para que sobre o regresso do pai amado se informe:
95 uma nobre glória deste modo obterá entre os homens.”

Tendo assim falado, em seus pés as belas sandálias calçou,
douradas, imortais, que com as rajadas do vento
a levam sobre o mar e sobre a terra ilimitada.
E pegou numa forte lança de brônzea ponta,
100 pesada, imponente, enorme: com ela fileiras de heróis
subjuga,
contra quem se enfurece de tão poderoso pai nascida.
Lançou-se veloz dos píncaros do Olimpo
e chega a Ítaca, à porta do palácio de Ulisses,
ao limiar do pátio. Na mão a brônzea lança,
105 assemelha-se a deusa a Mentes, soberano dos Táfios.
Encontrou de imediato os arrogantes pretendentes
que nesse momento se deleitavam com o jogo dos dados,
sentados em peles de bois que eles mesmos haviam matado.
Para eles em grandes taças escudeiros e criados
110 água com vinho misturavam; outros lavavam
as mesas com esponjas porosas; e outros ainda
carnes em grande abundância serviam.

O primeiro que a deusa avistou foi Telêmaco divino,
sentado entre os pretendentes com tristeza no coração,
115 imaginando no seu espírito o nobre pai chegando
para causar em toda a casa a dispersão dos pretendentes.
E assim em seu palácio teria honra e primazia.
Sentado no meio dos pretendentes a pensar estas coisas,

Page 9

canto i 123

avista Atena e a ela se dirige, julgando em seu espírito
120 ser vergonhoso para um hóspede ficar parado à entrada.
Acercando-se dela, dá-lhe a mão e dela recebe a brônzea
lança.
E falando-lhe em alta voz, palavras aladas profere.
“Salve, estrangeiro! Serás estimado em nossa casa;
e depois de teres comido me dirás de que tens necessidade.”

125 Falando assim indicou o caminho; seguiu-o Palas Atena.
E quando já se encontravam dentro da alta casa,
encostou contra uma coluna a lança da deusa,
no bem polido guarda-lanças, aí onde estavam muitas outras,
até lanças que ao paciente Ulisses tinham pertencido.
130 Levando a deusa, sentou-a num belo trono trabalhado
e estendeu uma toalha de linho; sob os pés, um pequeno
banco.
Perto colocou para si um assento ornado,
longe dos pretendentes, não fosse o estrangeiro levado
pelo barulho a desdenhar o repasto entre homens arrogantes.
135 Mas tencionava também interrogá-lo sobre o pai ausente.
Uma serva trouxe um jarro com água para as mãos,
um belo jarro de ouro, e água verteu numa bacia de prata.
E junto deles colocou uma mesa polida.
A venerável governanta veio trazer-lhes o pão,
140 assim como iguarias abundantes de tudo quanto havia.
O trinchador trouxe salvas com carnes variadas,
e colocou junto deles belas taças douradas;
um escudeiro veio depois servir-lhes o vinho.

145 Em seguida entraram os arrogantes pretendentes
e sentaram-se enfileirados em cadeiras e tronos.
Logo os escudeiros lhes verteram água para as mãos,
e junto deles as servas puseram os cestos de pão.
Vieram depois mancebos encher as taças de bebida.
Lançaram mãos às iguarias que tinham à sua frente.
150 E quando os pretendentes afastaram o desejo de comida

Similer Documents