Download OBSERVAÇÃO MICROSCÓPICA DE BACTÉRIAS DO IOGURTE -STREPTOCOCCUS THERMOPHILLUS E LACTOBACILLUS BULGARICUS- PDF

TitleOBSERVAÇÃO MICROSCÓPICA DE BACTÉRIAS DO IOGURTE -STREPTOCOCCUS THERMOPHILLUS E LACTOBACILLUS BULGARICUS-
TagsMicroorganism Yogurt Milk Earth & Life Sciences
File Size953.4 KB
Total Pages8
Document Text Contents
Page 2

2


Introdução Teórica …………………………………………………………………………………. 3



Objectivo do Trabalho Prático ………………………………………………………………… 4



Material …………………………………………………………………………………………………. 4



Procedimento ………………………………………………………………………………………… 5



Conclusões/Resultados …………………………………………………………………… 5, 6, 7



Crítica …………………………………………………………………………………………………….. 8



Bibliografia …………………………………………………………………………………………….. 8

Page 3

3


1. Introdução Teórica

Nesta actividade experimental, o objecto de estudo foi o iogurte e as bactérias

presentes no mesmo, Streptococcus Thermophilus e Lactobacillus Bulgaricus.



Entre as bactérias observadas existem diferenças morfológicas bastante marcantes.

Sendo que a Streptococcus Thermophilus se apresenta em forma de esferas (como qualquer

tipo de bactéria cocos), a Lactobacillus Bulgaricus, por sua vez, surge em forma de bastonete

(tal como todas as bactérias do tipo bacilo).


Os microorganismos observados não possuem núcleo, já que este ser vivo unicelular

apresenta o material genético (cromatina) disperso no citoplasma.


O iogurte que comemos é, na realidade, um alimento que contém microorganismos
vivos. O iogurte, portanto, é uma substância na qual vivem milhões e milhões de seres vivos
microscópicos que comem, se reproduzem e morrem.

Os microorganismos existentes no iogurte são, como já sabemos, bactérias. O tipo de
bactérias estudadas pode ser usado na alimentação, pois estas não produzem substâncias
tóxicas ao nosso organismo. Deste modo, estas bactérias alimentam-se do açúcar do leite
(lactose) e produzem ácido láctico; sendo este, claramente, produto do seu metabolismo.
Assim, o leite torna-se azedo, mudando, claro está, o seu pH. Isso faz com que a proteína do
leite se precipite, originando a formação de grumos no leite, que assim adquire a consistência
própria e que todos conhecemos como sendo a do iogurte.


Tanto a Streptococcus Thermophilus como a Lactobacillus Bulgaricus continuam a sua

actividade após ingeridas, já que, quando ingeridas regularmente, contribuem para a
manutenção e equilíbrio da flora intestinal (ajudam na recuperação de diarreias, contribuem
para a prevenção da obstipação, etc.), facilitam a digestão e imunizam o corpo contra
infecções, entre outras consequências (beneficiárias, neste caso).


O iogurte é, portanto, uma forma de leite em que o açúcar (lactose) foi transformado

em ácido láctico, por fermentação bacteriana, podendo ser, se assim entendermos,
considerado um “alimento vivo”.


http://pt.wikipedia.org/wiki/Leite
http://pt.wikipedia.org/wiki/A%C3%A7%C3%BAcar
http://pt.wikipedia.org/wiki/Lactose
http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_l%C3%A1ctico
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fermenta%C3%A7%C3%A3o

Page 5

5


3. Procedimento

 O iogurte foi previamente diluído e corado com azul-de-metileno.

 Retirar uma gota e colocar numa lâmina de vidro à qual se sobrepõe uma lamela com

cuidado para evitar a formação de bolhas de ar.

 Observar ao microscópio com as objectivas de 40X e 100X (objectiva de imersão).

 Esquematizar e legendar.







4. Conclusões/Resultados

Para uma melhor observação das bactérias do iogurte, foi utilizado o corante azul-

de-metileno. Este ajuda a isolar e delimitar os componentes celulares, permitindo uma

melhor visualização dos mesmos.





Ampliação: 10x5 = 50x

Ampliação: 10x10 = 100x

PREPARAÇÃO TEMPORÁRIA

Similer Documents