Download Instrumentista de Sistemas_Sistemas de Automação PDF

TitleInstrumentista de Sistemas_Sistemas de Automação
TagsControlador Lógico Programável Armazenamento de Dados de Computador Indutor Programas Engenharia Elétrica
File Size4.0 MB
Total Pages67
Document Text Contents
Page 1

1- 1 -








INSTRUMENTISTA DE
SISTEMAS

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

Page 2

2

















INSTRUMENTISTA DE SISTEMAS


SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

Page 33

33

Para simular os sensores e fazer o acionamento das entradas foram utilizadas chaves de

duas posições (ON - OFF). Estas chaves acionam a entrada discreta quando acionadas, e são

utilizadas para executar a simulação das entradas nos programas do capítulo 6. A Figura 3.18a

mostra o conjunto de 8 chaves que acionam as 8 entradas discretas, e a Figura 3.18b mostra a

ligação destas chaves na placa.





Figura 3.18a – Chaves Figura 3.18b – Conexão elétrica das chaves



Nota-se na pela imagem da Figura 3.19 que as chaves que estão acionadas (ON) acionam as

entradas discretas correspondentes (LED´s indicativos) enviando sinal elétrico para o contato, e as

chaves que não estão acionadas (OFF) permanecem com as respectivas entradas discretas sem sinal

elétrico, portanto desacionadas.




Figura 3.19 – Fiação do sensor no módulo analógico

Page 34

34



CAPÍTULO IV





4 Funcionamento do CLP

4.1 Ciclo de execução do CLP

É importante conhecer o modo como a CPU gerencia um programa do CLP, este

conhecimento auxilia no desenvolvimento de programas. A execução do programa em um CLP segue

uma seqüência que pode ser representada como um fluxograma, esta seqüência recebe o nome de

Ciclo de Execução, Ciclo de Varredura ou Ciclo de Scan do CLP.

Existe uma série de tarefas que o CLP executa desde o momento em que ele liga, dentre

estas tarefas podemos citar algumas: inicialização de hardware, verificação da configuração de I/O,

atualização de entradas e saídas, execução do programa de aplicação, realização de diagnósticos

entre outras. Porém, para iniciar a prática da programação o conhecimento do ciclo de execução

resumido auxilia para o entendimento dos programas que são desenvolvidos no CLP. A Figura 4.1

mostra um fluxograma com este ciclo.




Figura 4.1 - Ciclo de execução resumido



- Atualização das Entradas: é nesta etapa que a CPU realiza a leitura de todos os pontos de

entrada e armazena o status de cada um destes pontos na Tabela de Dados de Entrada. Após a

execução desta etapa a Tabela de Dados de Entrada será atualizada somente no próximo Ciclo de

Scan.

-Execução do Programa de Aplicação: as instruções do programa desenvolvido pelo

programador são executas nesta etapa. Estabelece uma relação entre os pontos de entrada e de

saída aplicando a lógica de controle desejada. A CPU executa o programa de aplicação desde a

primeira linha até a última, isto significa a partir da primeira linha de programa de cima para baixo, e

Page 66

66

7.3 Exemplos de aplicação

Esta capacidade do CLP trabalhar com variáveis analógicas permitiu um avanço em suas

aplicações e por isso atualmente o CLP passou a ser considerado como um Controlador

Programável, sendo capaz de implementar até funções mais complexas como, por exemplo, um

controle PID (proporcional-integral-derivativo).

Deste modo o CLP pode ser o controle de uma malha fechada que controla temperatura. A

Figura 7.8 ilustra esta malha fechada de controle de temperatura com o CLP.






Figura 7.8 - Programa operando com os valores de entrada e de saída analógicos



Observa-se que a variável controlada (temperatura) é monitorada pelo transdutor. Esta

variável assume qualquer valor dentro de uma faixa de operação (sinal analógico). Por meio de sua

interface analógica de entrada o CLP captura esta informação, digitaliza (conversor A/D), e executa a

operação de controle. Este controle pode ser desde um controle liga-desliga (controle on-off) até um

controle PID, o resultado da execução deste controle é um sinal elétrico que é enviado pela saída

analógica do CLP (conversão D/A) ao dispositivo atuador, neste caso pode ser um aquecedor ou um

refrigerador (pois se trata de um controle de temperatura). O objetivo geral do controle é manter o

valor de temperatura do sistema igual, ou o mais próximo desejável do set-point, que é o valor de

referência.

Page 67

67



BIBLIOGRAFIA




BONACORSO, N. G., NOLL, V. :Automação Eletropneumática. 6a Edição. Editora Érica. São Paulo. 1997.

GEORGINI, M.: Automação Aplicada: descrição e implementação dos sistemas sequenciais com PLC´s. 4a
Edição. Editora Érica. São Paulo. 2003.

NATALE, F.: Automação Industrial. 4a Edição. Editora Érica. São Paulo. 2000.

ROSÁRIO, J. M.: Princípios de Mecatrônica. Editora Prentice-Hall. São Paulo. 2005

SIEMENS - www.siemens.com.br (Acesso em 07/12/2006)

SILVEIRA, P. R., SANTOS, W. E.: Automação e Controle Discreto. 7a Edição. Editora Érica. São Paulo. 1998.

THOMAZINI, D., ALBUQUERQUE, P. U. B.: Sensores Industriais. Fundamentos e Aplicações. 1a Edição. Editora
Érica. São Paulo. 2005

Similer Documents