Download 239911327-Morgan-Deese-1970-Como-Estudar.pdf PDF

Title239911327-Morgan-Deese-1970-Como-Estudar.pdf
File Size8.1 MB
Total Pages149
Table of Contents
                            Prefácio
Sumário
1  O Estudo bem sucedido
2  Executar o trabalho
3  A estratégia do estudo
4  Ler melhor e mais depressa
5  Como tomar apontamentos
6  Como se submeter a exames
7  Como escrever temas e relatórios
8  Como estudar línguas estrangeiras
9  Problemas de matemática
10 Como obter ajuda e ajudar os outros
Outras obras para leitura e estudo
                        
Document Text Contents
Page 1

CLlfTORD T. MÖEGÄN —

Page 2

H - W - W
(X

COMO ESTUDAR

Page 74

71 rumo ffctiiifnr

antes de ir para a sala de aula, pense nas
perguntas baseadas nos seus deveres de
leitura no manual e no que o professor
disse a última vez» Tão logo esteja aco­
modado na carteira, ponha o caderno à
mão (veja página 55) e se concentre no
que vai acontecer na aula. Prepare-se
para perguntar e raciocinar, e continue a
fazê-lo durante tôda a aula. Você está ali
para essa finalidade, não para gastar o
tempo; e quanto maior esforço você des­
pender, maior será o proveito.

Durante a aula, naturalmente, você
não lê. Se o fizer, vai perder muito com
isso. Ali você ouve, e ouve com o máximo
de atenção. Como não há títulos nem
oportunidade de voltar atrás em seus
apontamentos para um auto-exame, pro­
cure certificar-se que está assimilando e
avaliando tudo. Muito daquilo que o pro­
fessor expõe serve apenas de apoio aos
seus pontos principais e não necessita ser
lembrado, exatamente como num pará­
grafo escrito muitas das palavras estão
ali apenas para apoiar objetivos. Mas
você deve escutar tudo para saber o que
é importante ou não.

Como conseguir a organização. De uma
forma ou outra, você deve compreender
e anotar a organização daquilo que o pro­
fessor diz em aula. Isso equivale à anota­
ção dos títulos num livro. Somente que
ali você deve muitas vêzes imaginar por
si mesmõ quais devem ser os títulos. Al­
guns professores usam o quadro-negío
para escrever os tópicos sôbre os quais
discorrem. Se isso acontecer, será ótimo.
Servirá para lhe fornecer o esquema dos
apontamentos. Se tal não ocorrer, você
deve, de algum modo, delinear ou apa­
nhar o resumo por iniciativa própria. Al­
gumas vêzes, isso é quase impossível e
você terá de escrever tudo o que lhe pa­
reça importante e ordenar suas notas
após a aula.

Mesmo o professor mais desorganiza­
do, porém, lhe dá muitas sugestões para
a sua organização, desde que você saiba
reconhecê-las e usá-las. Uma dessas su­
gestões pode ser a explicação “ O ponto
principal é êste. . . ” , ou “Anote isto. . . ” ,
ou “Lembrè-se d is to ...” . Outra sugestão
casual pode ser a méra repetição de uma
afirmação; se o professor se dá ao cuida­

do de dizer algo duas vêzes, é porque êle
julga ser isso importante. Ou pode êle es­
sencialmente dizer a mesma coisa de duas
ou três maneiras diferentes, o que consti­
tui uma espécie de repetição, e essa pode
ser a sua deixa. Quando um professor, a
certa altura, expõe devagar alguma coisa,
especialmente como se desejasse que você
a fixe, o que êle diz é sem dúvida impor­
tante. Ou se a sua voz muda de tom ou
se eleva para dar ênfase ao seu depoi­
mento, êsse fato indica uma parte impor­
tante.

------- Os professores têm estilos diferentes,
e podem usar quaisquer dessas insinua­
ções, combinando-as de diversas manei­
ras. Tão logo você comece a seguir um
curso, estude o seu professor cuidadosa­
mente, para descobrir qual seu estilo pes­
soal e como êle deixa transparecer as su­
gestões. Para tal fim, é muitas vêzes útil
que você compare seus apontamentos
com os de outros dois alunos, e com êles
discuta o estilo do professor. Seus cole­
gas podem ter captado sugestões que você
não percebeu, e vice-versa.

De qualquer maneira você deve estar
ordenando o sentido daquilo que o pro­
fessor diz, e fazer os apontamentos se­
gundo tal organização. Faça-o tentando
identificar os principais pontos do profes­
sor. Procure as idéias principais e logo
depois os pormenores importantes com
elas identificados, tal como faz ao ler o
manual. Se escutar cuidadosamente, veri­
ficará que há parágrafos na exposição do
professor tal qual no livro. Sua tarefa é
condensá-los em frases simples e senten­
ças que incluam as idéias principais e os
pormenores importantes. Você deve fazer
isso com palavras próprias, não com as do
professor, de maneira que venha garan­
tir que de fato compreende o que êle está
dizendo. Por outro lado, se êle lhe der
uma definição técnica ou afirmar alguma
coisa com a evidente intenção de a tor­
nar um depoimento preciso, você deve es­
crevê-la literalmente.

Algumas vêzes lhe é difícil organizar
os apontamentos de aula à medida que os
vai tomando, e mesmo estar sempre certo
ao tentar determinar os pontos importan­
tes. Nesse caso, você é levado a tomar co­
piosamente notas desorganizadas, só para
não perder o compasso do professor. Não

Page 75

Como Tomar Apontamentos 75

o faça, a menos que não possa evitar. Se­
jam quais forem as circunstâncias, porém,
não gaste demasiado tempo na tentativa
de tomar apontamentos perfeitos e bem
organizados, porque perderá a essência
daquilo que o professor expõe. Pode-se
quase dizer que qualquer tipo de apon­
tamento é melhor do que nenhum. No
entanto, quanto melhor organização hou­
ver nos apontamentos, tanto mais úteis
êles virão a ser.

A questão de saber quantos se deve
tomar depende, de certa maneira, da pes­
soa que os toma, de sua habilidade em lo­
calizar os pontos principais, e da rapidez
com que escreve. Também depende do
professor e do número de pontos que êle
oferece. Alguns professores explanam
muito numa hora de aula, outros relati­
vamente pouco. Muitos alunos conseguem
melhores resultados tomando muitas no­
tas, enquanto outros conseguem fazê-lo
tomando bastante menos. Será preferível,
se não está certo da quantidade ideal,
errar anotando em demasia, porque você
poderá reduzir os apontamentos feitos,
selecionando os mais úteis.

Como rever e revisar. A revisão, na
fórmula da Survey Q 3R, é ainda mais
importante para as notas de aula do que
o é para a leitura dos manuais. Os seus
apontamentos de aula, áo contrário dos
do livro, são incompletos, imperfeitos, e
não tão bem organizados. É, portanto, ne­
cessário revê-los, cuidadosa e freqüente­
mente, a fim de recordar, e os ler tanto
quanto puder, lutando assim contra a lei
inexorável do esquecimento. A sua pri­
meira revisão deve ser feita imediata­
mente após a aula ou dentro de umas
poucas depois. Nessa ocasião, muito do
que o professor disse ainda está nítido em
sua mente, e você pode recordar coisas
essenciais não constantes de suas notas.
Poderá mesmo corrigir erros que foram
cometidos pelo fato de você ter escrito às
pressas ou antes de ter compreendido o
que escreveu. Se esperar muito para re­
ver as notas, você poderá fàcilmente aca­
bar dizendo, como tantos outros, “meus
apontamentos de aula simplesmente não
têm sentido” .

É preferível, às vêzes, reescrever
completamente os apontamentos de aula.

Não recomendamos que o faça desneces-
sàriamente, pois pode perder tempo com
isso. Alguns estudantes conseguem apa­
nhar notas claras e bem organizadas, bas­
tando apenas repassá-las depois, fazen­
do inserções ocasionais ou eliminando
passagens. Talvez seja melhor que os es­
tudantes não incluídos nessa categoria
reescrevam os apontamentos quase por
completo. Mesmo os melhores estudantes
podem ter de reescrevê-los, quando o es­
tilo do professor desafie tôdas as tentati­
vas de se poder organizar o que êle diz
durante a aula.---------

Você terá de decidir por si mesmo
quando e o que deverá reescrever. Se
achar conveniente fazê-lo, será melhor
que o faça, pois, se lhe fôr possível orga­
nizar com mais clareza o que escreveu,
sair-se-á muito melhor mais tarde. E nisso
terá oportunidade de se beneficiar com
valiosa leitura em- voz alta.

Eis quase tudo que precisávamos di­
zer acêrca de apontamentos em aula, mas
não deixaremos de dar ênfase ao fato de
serem aplicáveis aos apontamentos da
aula outras coisas que mencionamos sô­
bre a fórmula da Survey Q 3R. Faça sua
primeira revisão e reescrita logo após a
aula. Algum tempo mais tarde, reveja li­
geiramente as notas de nôvo. Então, nos
dois ou três dias antes do exame, reve­
ja-as do princípio ao fim.

NOTAS SÔBRE A PESQUISA

Além de fazer regularmente aponta­
mentos sôbre os manuais e aulas, você
terá oportunidade de tomar outras notas:
leituras externas, relatórios do livro, pro­
vas escritas do pèríodo, e até questioná­
rios escritos sôbre pesquisas para fazer.
Quase tudo isso exigirá que você adapte
os métodos de fazer apontamentos que já
descrevemos, mas existem circunstâncias
nas quais será melhor fazer algo bem di­
ferente.

Apontamentos-sumários. Na maioria dês-
ses casos especiais, você não precisará de
esboçar o que leu. A exceção mais impor­
tante talvez sejam os relatórios. Se você
lê um livro e sôbre êle faz um relatório,
pode ser preciso fazer alguma espécie
de esbôço, o qual, porém, não necessita

Page 149

UM G i p t í
O ESTtIBO

Aqui estão estratégias para bons estudantes, bem
assim para aqueles que experimentam dificulda­
des com os estudos. Êste livro ajuda-lo-á a traçar
o seu programa de estudo de maneira mais eficaz
e menos desperdiçadora do tempo. Mostra-lhe
como utilizar melhor o seu compêndio . . . como

---- ler e fazer apontamentos científica e eficiente­
mente. Abrange problemas especiais, como: fazer
exames. . . estudar idiomas estrangeiros, . . estu­
dar matemática. . . redigir temas e relatórios. . .
obter ajuda, Autotestes fornecem valiosos marcos
para avaliar o seu progresso, e espaços em branco
acham-se nêle incluídos para você delinear seus-
horários de estüdo. Os maus hábitos de estudo
estão nitidamente apontados e há instruções sôbre
como obüèsos. b o a s .

Escrito ptó Clifford T. 5Morgan, autor de uma
obra modelar, “ Introduction to Psychology” , e
James Deese, autor de “The Psychology of
Learning” , êste livro pratico oferece-lhe auxílio
concreto no sentido de aumentar « seu aprovei­
tamento acadêmico. Cóbre compreensivamente os
métodos usados para remediar as deficiências dos
CTirsos superiores e as técnicas de estudo.

É obra à qual você recorrerá muitas vêzes para a
solução de suas necessidades e problemas. . . para
sugestões frescas ou saber como produzir mais
trabalho em menos, tempo. . . para exemplos do
que dá resultados e do que os não dá. Use êste

trjuções, execute os exercícios que lhe oferece, e
torne-se um estudante mais bem sucedido. . .
obtenha melhores graus. . . aprenda mais em

como
estudar

liyro cômodo-dé «técnicas práticas, siga—suas ins-
-■■•ti. • ; . £ '

menos tempo.

Similer Documents